terça-feira, 30 de julho de 2013

VINICIUS DE MORAES - Vida e Obra



No ano de 1913
Zé Araújo apresentando o Cordel: "Vinicius de Moraes - Vida  e obra" no evento "Sensibilização do Projeto de Soletração Municipal/2013

Nascia no Rio de Janeiro
Vinicius de Moraes
Um poeta verdadeiro
Romântico e apaixonado
Sempre foi casamenteiro

Sua mãe Lydia Cruz
Também tinha talento
Uma exímia pianista
E vou dizer a contento
O Pai Clodoaldo Pereira
Poeta em algum momento

Vai morar com os avôs
Aos três anos de idade
No bairro de Botafogo
Esta é a pura verdade
E no ano seguinte
Muda-se por necessidade

Na Escola Afrânio Peixoto
Começa a estudar
Com sua irmã Lygia
E outra vez vai se mudar
Vai para Ilha do Governador
Na praia do Cocotá

No ano de 1924
Inicia o curso secundário
No Colégio Santo Inácio
Já era um visionário
Cria várias amizades
Era um rapaz solidário

Em 1929 precisamente
No Colégio onde estudava
Bacharela-se em Letras
Todo mundo esperava
E no ano seguinte
No Direito começava

Em 1933, forma-se
E começa a escrever
Publica seu primeiro livro
E todos querem ver:
“O caminho para a distância”
O sucesso a aparecer

Trabalha para o governo
No Ministério da Educação
Publica outro livro
E é pura emoção
“Forma e exegese”
Ganha prêmios de montão

“Ariana, a mulher”
Outro poema inspirado
Conhece Manuel Bandeira,
Drummond, os iluminados
E deles torna-se amigo
Oh! Poeta dedicado.

Vai estudar na Inglaterra
Aos 25 anos de idade
Língua e literatura inglesa
Tornam-se realidade
Aumenta sua competência
E sua versatilidade

Lança: “Cinco elegias”
E tem grande resultado
Depois: “Poemas, sonetos e baladas”
Começa a ser elogiado
É o “poeta do cotidiano”
Como gosta de ser lembrado

Casa-se com Beatriz Azevedo
Por meio de uma procuração
Volta então para o Brasil
E “dá corda” à inspiração
Nasce sua primeira filha
O poeta é só emoção

Torna-se crítico de cinema
E conhece outros autores
Cecília Meireles, Afonso Arinos
Além de vários escritores
É um homem influente
Sem falar nos seus amores

Em 1946 nos Estados Unidos
Começa seu trabalho diplomado
Torna-se vice-cônsul do Brasil
Pense num homem estudado
Mora cinco anos na Califórnia
E a saudade dói um bocado

Em 1950 volta ao Brasil
Casa-se pela segunda vez
A esposa é Lia Maria
É um homem de muita altivez
Em 1953 nasce a segunda filha
A alegria se refez

Nasce sua filha Luciana
No ano de 1956
Faz peça de teatro
Traduz poemas para o inglês
É um homem talentoso
Digo isso a todos vocês

Nesse ano, minha gente
Começa uma grande parceria
Conhece o grande Tom Jobim
De quem nunca mais separaria
E junto com João Gilberto
A Bossa Nova criaria

Em 1958 casa-se novamente
Homem inquieto e ativo
A da vez é Maria Lúcia
Dos vários amores ele é cativo
Em 1963, com Nelita Abreu
É um “cabra” impulsivo

Trabalha com vários músicos
Em composições magistrais
Edu Lobo, Carlos Lyra,
Nara Leão e muito mais
Sem falar em Ary Barroso
Canções sensacionais

Falar desse grande mestre
É reviver o romantismo
Seus sonetos impecáveis
É o ápice do lirismo
O Brasil é a pátria mãe
Falo assim com saudosismo

Quem não conhece o poema
“Soneto da Fidelidade”
Ou o “Soneto da Separação”
Não imagina a felicidade
De escrever este cordel
E apresentar na minha cidade

De Vinicius de Moraes
Tenho muito pra falar
Mas o tempo é curto
Então eu vou despistar
Na outra oportunidade
Iremos nos pronunciar

Zé Araújo
17.07.2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário